Amanhece...
Tudo é Você... Tudo é Você...
A Viagem e o Viajante...
Não há nada fora, além de uma caixa de espelhos.
A certo Momento, fecha-se os olhos a ela...
E Desperta-se Lá... nas Dimensões internas.

E nenhum coração pulsa só...
Nenhum coração pulsa por si.
Todo Coração Canta em Si...
Ainda que os olhos não vejam.

Então...
Como contas em um colar que não tem fim,
pois o Círculo é Esfera em outra Dimensão
Seja os meus olhos, que Eu Sou os Seus...
Seja os meus braços, como Eu Sou no Abraço...
"Tão mais fácil Condução assim..."
Amor
Ecoa...
E o que ecoa está cumprido.

Salve!
.

Abra os olhos

Abra os olhos
Só há UM aqui... Amor.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Passando

Eu me centro cada vez mais no simples e belo.
Pescadores não jogam a isca onde o rio faz curva.
Eles sabem que ali se encontram apenas os destroços.
E as águas passam.

Você habita onde o olhar repousa...
Na vasta paisagem.

10 comentários:

António Rosa (José) disse...

Interessante. Aprendi uma coisa hoje - o local dos destroços. Não sabia. :)

IdoMind disse...

Adriana, querida

Vinha agradecer pela nomeação para a entrevista, mas depois de ler este post é por ele que te agradeço...senti-o a vibrar na minha alma..

Um beijo muito grande
IdoMind

adriana disse...

António,
Esta é uma das vantagens de se nascer na roça.
:))

adriana disse...

IdoMind,
Não é preciso agradecer.
Vamos trocando... e retribuindo.
:)

Meri Pellens disse...

Pois eu tbm não sabia o local dos destroços; onde o rio faz a curva, e alí não devo pescar...
Pois é bem isso nossa vida, onde sofremos ficam destroços, mas fazemos a curva, o contorno, uma nova direção, e podemos pescar somente após esse contorno...

adriana disse...

É isso mesmo, Meri
Obrigada por passar por aqui e seguir adiante para além da curva.
:)

Samsara disse...

Adriana

Muito bonito e não sabia isso da curva do rio. A curva não nos deixa ver mais além...

Beijinhos

adriana disse...

Sam,
É verdade!
bjs

Maria Izabel Viégas disse...

Adriana querida,

Lembrei-me do livro de Dee Brown, " "Enterrem meu coração na curva do rio". Não o li;mas sei que nele o autor fala de todas as promessas não cumpridas que fizeram aos índios americanos.
E , em vez de dar-lhes terras férteis , davam-lhe lugares onde nada se colhia, solos áridos, dejetos e podridão - a curva do rio.
A analogia perfeita... que bom que vc o colocou, é na curva do rio que se colocam as desilusões também?
O coração triste?
Lindo...
beijos no seu lindo coração!

adriana disse...

Querida,
É onde se colocam as desilusões.
Mas...
Somos muito mais que desilusões.
Por isso podemos nos libertar.
E que a compreensão amorosa abra as asas sobre nós...
=)